FOGE DA COMPANHIA DO INSENSATO (III)

Provérbios 14:7 - “Foge da presença do homem insensato, pois nele não acharás palavras de conhecimento.” (III)

A pergunta que vem à mente depois dos dois primeiros estudos, é, como posso fugir do insensato? Pois é alguém com quem vejo e me encontro quase todos os dias. É alguém com quem convivo na escola, convivo no trabalho, convivo na mesma vila, no mesmo bairro. Qual deve ser a minha atitude?

Creio que o Salmo 1:1 descreve bem o que se deve fazer. “Bem-aventurado o homem que NÃO anda no conselho dos ímpios, NÃO se detém no caminho dos pecadores, NEM se assenta na roda dos escarnecedores. ” Este versículo diz tudo: para fugir do insensato, a sua atitude, segundo esse versículo, você deve:

1.Não ouvir o que ele diz, (nem entrar em discussão com ele); 2. Não parar para conversar com ele (mesmo que o chame para uma conversa, procure se desculpar e não pare para conversar); 3. E muito menos se assente entre o grupo em que você percebe que a conversa é de baixa qualidade. Se você estava no grupo, e a conversa começou a mudar de assunto e de qualidade, peça licença, se levante e saia. Essa é a explicação do versículo primeiro do Salmo 1.

Mas a sua atitude e a sua conversa serão a grande diferença no seu comportamento em relação ao insensato. Ele perceberá a diferença, e provavelmente ele mesmo o evitará.

Fuja do insensato, pois nada do que ele disser será proveitoso. Estejamos atentos!

FOGE DA COMPANHIA DO INSENSATO (II)

Provérbios 14:7 - “Foge da presença do homem insensato, pois nele não acharás palavras de conhecimento.” (II)

Já vimos como a Bíblia é enfática no dever de nos afastarmos do homem insensato.

E também vimos no texto anterior que é possível reconhecer no nosso círculo de pessoas com quem convivemos, quando alguém é insensato, ou imprudente, ou louco. É possível reconhecermos um insensato, quando em nós estiver implantado a sensatez e todos os ensinos da ética, da moral, da honestidade, do respeito e da obediência. Pois quando a pessoa com quem convivemos demonstra a falta de todas essas características, que chamamos de “bons costumes”, é a prova de que essa pessoa é insensata. E vejam, que não estaremos julgando a pessoa, mas apenas reconhecendo a sua forma de conduta.

Pois como nos “afastaremos do insensato” se não soubermos reconhece-lo?

Mas se não estivermos reconhecendo a insensatez da pessoa, o problema pode estar em nós. Pois se estivermos achando normal algumas atitudes de desvios da ética, da moral, da honestidade, e aceitarmos que “todo o mundo faz”, que “você deve levar vantagem em tudo”, “você deve ser esperto”, isso pode ser um diagnóstico de que estamos no mesmo nível do insensato. E certamente não iremos reconhece-lo como insensato, porque as atitudes dele não nos chocam, pelo contrário, concordamos. E quando isso acontece, já não há mais palavras de exortação que surtam efeito, porque essas palavras já não mais serão aceitas. Pois o insensato jamais concordará que é insensato.

Por isso a exortação da Bíblia é veemente nesta afirmação: “foge do homem insensato”. Sejamos sensatos.


Provérbios 14:7 – “Foge da presença do homem insensato, pois nele não acharás palavras de conhecimento.” (I)

FOGE DA COMPANHIA DO INSENSATO (I)
“As más companhias corrompem os bons costumes” seria a versão popular para o versículo bíblico acima. O versículo porém é muito mais enfático: FOGE. “Foge desse homem insensato”, ou no popular, ‘foge das más companhias’.
Mas como reconhecer as companhias com quem convivemos diariamente, e saber quando alguém é insensato, ou em outras palavras, louco, ou sem juízo, ou imprudente, ou desmiolado? Porém, podemos ter certeza de que, será mais fácil reconhecer a insensatez, quando em nós estiver a sensatez, ou o juízo, porque foi-nos ensinado o juízo, a ética, a moral, a honestidade, o respeito, a obediência, etc.
A nossa reação deve ser que, quando percebermos que as atitudes de determinadas pessoas que nos cercam, tem palavras ou reações que incentivam ou apoiam atitudes nítidas de desvios dessa sensatez, ou seja, desvios da ética, ou da moral, e se alegram com tudo que é insensato, ou contrário ao correto, ou ao verdadeiro, ao justo, ao puro, ao amável (Filipensens 4:8), nos afastemos dessas pessoas “insensatas”, porque nada do que disserem terá algum valor para conhecimento, ou de sabedoria, ou de crescimento. E o resultado da permanência com essas pessoas só trará tristezas e desgostos, ruínas e desgraças.
A Bíblia nos exorta com veemência: “Foge da presença do homem insensato”. Estejamos atentos!